Connect with us

Política

Célio segue orientações de Ricardo e prepara discurso para possível exoneração do Governo

Postado

em

Célio tem um currículo de traição após abandonar grupo Toscano em Guarabira (Foto: Arquivo/Blog do Galdino).

O secretário executivo do Orçamento Democrático Estadual, Célio Alves (PSB), permanece seguindo orientações do ex-governador e atual presidente da Comissão Provisória do PSB na Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB). Segundo um integrante da sigla em João Pessoa, Ricardo orientou Célio a defender o governador João Azevêdo com o objetivo de montar um contra-ataque ao ex-socialista. Célio é considerado um seguidor fiel de Ricardo, inclusive, afirmou que o ex-governador seria o melhor nome para comandar o PSB na Paraíba.

O interlocutor disse que Ricardo acredita na exoneração de Célio Alves da chefia do ODE. Ricardo prevê que o discurso de fidelidade do mariense (Célio) servirá de argumento para dizer aos paraibanos que Célio foi traído por João Azevêdo com uma demissão. Célio carrega no currículo uma traição política jamais esquecida pelos guarabirenses. Célio Alves conquistou a confiança do prefeito Zenóbio Toscano e de sua família, acabou pagando com uma traição. Na ocasião trocou Zenóbio por Ricardo Coutinho para ocupar funções políticas no Governo do Estado.

Célio permanece seguindo as orientações de Ricardo para permanecer orientando os aliados que ocupam cargos nas repartições públicas do Governo em Guarabira. O mariense é o presidente da Comissão Provisória do PSB do município de Guarabira, apesar de se encontrar inativa, Célio permanece respondendo pelo partido.

Beto Meireles perdeu o comando do PDT para o vereador Marcelo Bandeira (Foto: Arquivo/Blog do Galdino).

Segundo a fonte, Ricardo considera importante neste processo a infiltração do ex-vereador Beto Meireles (PDT) e do seu filho, o vereador Renato Meireles (PSB).  O interessante que nesta terça-feira (03) os vereadores iriam comentar no auditório da OBA-Guarabira sobre a crise política no PSB da Paraíba, contudo, antes de iniciar o uso dos microfones pelos parlamentares, Renato Meireles (PSB) se retirou da sessão sem ser notado.

A estratégia do parlamentar era, evidentemente, não se envolver na polêmica que resultou no rompimento de João Azevêdo com Ricardo Coutinho, e assim se esquivar de qualquer opinião para não ferir o relacionamento de amizade com o ex-governador.

Blog do Galdino